Escolha uma Página

Mais leveza, mais cor, mais amor, mais fluxo nas nossas vidas. Quando escutei essa música pela primeira vez, lembrei muito de quando comecei a empreender em 2006. Putz, faz tempo, hein?

Bom, quando comecei lá atrás a querer ser dona do meu tempo, a colocar minhas ideias no mundo, a ter o meu próprio negócio e achar um trabalho que me desse a oportunidade de viver mais plenamente, eu descobri que ele não existia. Isso mesmo, não existia um trabalho que eu pudesse fazer na hora que eu quisesse, do jeito que eu quisesse, de onde eu estivesse, criativo, inovador, cheio de experiências, onde eu pudesse conviver com pessoas massa e trocar muitas ideias e aprendizados.

Foi ai que decidi. Se não existe, eu vou criar o meu trabalho dos sonhos. O meu jeito de fazer acontecer, o meu mundo. E sem ter a menor ideia que era impossível, eu fui lá e fiz. E hoje posso dizer, que entre trancos e barrancos, porque eu não vim aqui pra dizer que é fácil, eu hoje faço o que amo e trabalho com um propósito claro e que faz sentido pra mim, porque descobri que é possível. Com a ajuda certa, com as ferramentas certas, com o pensamento focado, é muito possível!

“Todo mundo nasce para fazer alguma coisa, mas são poucos os que têm a sorte de descobrir qual é essa coisa. Por isso, são poucos os bem-sucedidos nas suas carreiras. Eu tive a sorte de descobrir muito cedo qual é a coisa para a qual eu sirvo.”
(Washington Olivetto, fundador e presidente da W/Brasil)

Coletei partes de um documentário sobre a pesquisa TALENTO BRASILEIRO, realizada pela ETALENT, entre 2007 e 2012, com mais de um milhão de pessoas de todo país, e continua super atual.

Amor ao trabalho. Esta é a característica de 100% dos entrevistados. Para eles, o trabalho é como um hobby e todos — isso mesmo, 100% dos entrevistados — falaram sobre a importância de se gostar do que faz para se conseguir a excelência em qualquer carreira.

Mas, o que é esse negócio de ser bem-sucedido, hein? Será que pra todo mundo é igual? Qual a sua medida de sucesso?

Nessa pesquisa, não importa se o entrevistado era jovem ou idoso, homem ou mulher, de origem humilde ou vinha de uma família rica, se havia feito apenas o curso primário ou doutorado no exterior; ao serem questionados sobre o conselho que dariam a alguém em início de carreira, todos responderam: Fazer o que gosta.

Mas, como a gente consegue fazer o que gosta e ser bem remunerado por isso? Será que isso é pra mim? Será que é pra todo mundo?

É muito fácil perceber o entusiasmo e o brilho nos olhos de todos eles ao falarem sobre suas profissões, carreiras ou negócios. Ao estar na presença de cada um, percebe-se com nitidez o quanto amam o que fazem. “Sempre fiz o que gosto, o que é fundamental para o sucesso”, afirmou Maria Silvia Bastos Marques. Para os bem-sucedidos, trabalhar não é nenhum sacrifício; ao contrário, eles não saberiam viver sem isso.

Por atuarem numa atividade que apreciam, o trabalho é um prazer, as horas passam rapidamente e eles se destacam em relação aos outros. Eles consideram o seu trabalho como o mais agradável do mundo. É como se o trabalho, para eles, tivesse o mesmo papel de um hobby para a maioria. É a coisa de que mais gostam de fazer, e o que fazem de melhor, já que sentem um grande bem-estar. Isso é o que chamam de estar no fluxo, estar fazendo algo que não vê o tempo passar. Você já se sentiu assim?

Os resultados financeiros são simplesmente uma conseqüência de fazer bem-feito o que se gosta. Luiz Meisler contou: “Eu comparo meu trabalho com uma pessoa que é apaixonada por futebol e joga uma partida por dia. Para mim, trabalhar é mais ou menos isso”. Para as pessoas de sucesso, não importa qual a área em que alguém trabalhe, o importante é fazer algo que lhe dê prazer. “Se fosse aconselhar um jovem que está iniciando a sua carreira, diria para ele descobrir do que gosta, fazer o que gosta e mergulhar de cabeça no que gosta. O Brasil tem oportunidade para quase tudo”, afirmou Alexandre Behring.

E isso foi no período de 2007 a 2012, imagina agora?

As pessoas bem-sucedidas têm tamanho amor à profissão que a maioria deles inclusive parece não perceber exatamente qual é a fronteira que as separa da atividade que exercem. (Mais fluxo aqui!) É quase como se fossem uma coisa só. (E é. É tudo vida!) Durante a entrevista com a dra. Zilda Arns, foi interessante notar que, mesmo quando as perguntas eram pessoais, ela as respondia em nome da Pastoral da Criança. O seu amor e a sua dedicação à causa de diminuir a mortalidade infantil no Brasil fazem com que, aos seus olhos, ela e a Pastoral sejam quase que a mesma coisa.

Muita gente passa a vida inteira sem perceber que o trabalho é o jeito que a gente utiliza os nossos talentos para entregar valor ao mundo e resolver problemas das pessoas. A gente veio ao mundo pra ser feliz, e se passamos a maior parte da vida trabalhando, não faz sentido algum trabalhar com algo que não acreditamos, sem um propósito claro, e que a gente não se sinta muito bem fazendo aquilo.

“A natureza, a grama não faz força para crescer, o passarinho não faz força para voar, a criança não faz força para ficar adulta, simplesmente acontece, porque tudo isso tem como fatores geradores: a energia, o desejo, a vontade, que são a força natural da vida. O melhor é conduzir a carreira dessa forma, fazendo o que se gosta e, conseqüentemente, sendo feliz a cada momento. Isso é vivido por mim, e eu acho que deve ter uma ligação com as outras pessoas que tiveram sucesso. Sinto prazer com cada coisa que faço no meu trabalho”.
Deepak Chopra

E como você faz isso? Como você acha esse caminho e começa a viver uma vida mais plena e com um propósito claro?

Aí vão 5 dicas para você começar a sua jornada rumo a uma vida mais cheia de cor, amor e leveza.

1. Liste tudo que gosta de fazer, lembre de algo que quando está fazendo não vê o tempo passar. Vá escrevendo, escrevendo e formando um grande brainstorm sem regras. Gosta de dançar, escrever, viajar, assistir filmes, conversar, conhecer pessoas, ler, costurar, cozinhar?
2. Agora, releia. Pense em algo que você gostaria que tivesse no mundo, do seu jeito. Imagina como seria se você passasse a maior parte do tempo fazendo uma dessas coisas, ou duas.
3. Escolha algo que ajudará as pessoas a resolver algum problema, não precisa ser o maior problema do mundo. A gente tem essa mania de pensar que vai salvar o planeta sozinho. Mas, e se cada um fizer um pedacinho? Que pedacinho seria o seu? Já pensou nisso?

4. Que tal compartilhar com as pessoas os seus sonhos, sentimentos, experiências? Que tal se as pessoas pudessem saber como você faz isso e principalmente o porquê você faz. Essa conexão é mágica, gera empatia.
5. Agora, pensa nesse pedacinho e colocar ele num pacote, transforma ele, pode ser um serviço, um produto. Algo que as pessoas estariam dispostas a pagar pelo valor dele, pelo propósito, pelo porquê, pela transformação e pela experiência que pode gerar.

Pronto, você já começou.

Agora, não pare mais! Não pare de acreditar, saia da zona de conforto, escute música, viaje, faça coisas diferentes que você nem sonha que podem te inspirar, não pare nunca de estudar, vá modelar o seu negócio, conhecer ferramentas e estratégias que vão te ajudar nessa jornada, conheça as pessoas que se conectam com você, teste, valide, experimente para seguir adiante, conheça pessoas que estão vivendo algo parecido, encontre pessoas pra te ajudar no processo, conheça metodologias que vão te ajudar a ter mais clareza, foco, energia, motivação, inspiração, e por ai vai. Tenha um objetivo e não deixe que nada te atrapalhe, porque a vida é breve!

Amanhã lanço uma série de vídeos, #garimporesponde, onde eu respondo perguntas que recebo por aí. Essa é a da semana >>> Como é isso de viver fazendo o que ama? Quer receber nossa news no seu mail? É só assinar ai embaixo!

Está esperando o que pra começar? Bora? Me conta aqui, qual a sua dificuldade? Qual o seu maior desafio?

Beijos criativos e AVANTE!